sexta-feira, 17 de junho de 2011

Pequena teimosa


Estávamos eu e uma amiga no shopping, comendo uma pizza. Era sábado e tinha várias famílias espalhadas pelas mesas da praça de alimentação. Uma família em especial me chamou a atenção, talvez fossem duas famílias reunidas, não sei dizer. Havia duas mulheres adultas, uma menina de uns 13 anos, um menino de uns 7 e outra menina de, no máximo, 5 anos. Eles também estavam comendo pizza e a pequena não estava se entendendo com os talheres. A irmã dela, pelo menos eu acho que é, devido a semelhança das duas: bem brancas, loiras, olhos azuis... Quis ajudá-la, tomando de sua mão desajeitada os talheres para que partisse o pedaço da pequena. Eis que está esperneou, brigou e agarrou fortemente o garfo e faca impedindo a irmã de ajudá-la. A princípio, me pareceu uma menina muito teimosa, birrenta e mimada, extremamente mimada. Odeio julgar as pessoas malvadamente. Então me coloquei no lugar dela e a entendi. Entendi muito bem, eu já estive no lugar dela, querendo as mesmas coisas que ela: auto-suficiência, liberdade e, principalmente, queríamos conseguir as coisas por nós mesmas. A irmã reclamou com a mãe da rebeldia da pequena, que estava fazendo uma bagunça e se sujando toda tentando cortar aquele pedaço de pizza. A mãe advertiu a pequena para não passar em branco e deixou por isso mesmo. Então, continuou a tentar, ela não conseguia cortar a massa; com o garfo ela só pegava o queijo. Mais pra perto do final desse processo, ela já estava impaciente... Tinha se sujado toda, mas não conseguia, ainda, cortar a massa, e então, de forma sutil, pediu a irmã que a ajudasse. Engolindo o seu orgulho e aprendendo a ser humilde. A vida é assim, sujamos as mãos, lutamos para sermos independentes, lutamos por aquilo que queremos, mas chegamos à um ponto onde não mais conseguimos seguir sozinhos. Tão importante quanto alcançar nossos objetivos e buscarmos nossa autonomia, é reconhecer a importância que o outro têm na nossa vida e a nossa necessidade dele.

2 comentários:

  1. As coisas simples da vida ensinam muito mais do que qualquer sermão... Afinal, só nos momentos de silencio ou autismo momentâneo é que conseguimos pensar na vida e em nossas ações. É só saber olhar com humildade e se por no lugar do próximo. Lindo Post! (Acabei refletindo mais do que elogiei hahaha)

    ResponderExcluir
  2. Te imagino devorando essa menina com os olhos. Goostei. De onde veio essa inspiração gente. :O

    ResponderExcluir